sexta-feira, 27 de julho de 2012

O que há por trás dos seus olhos?

"Somos sempre surpreendido pelo que ainda não foi vivido. Mesmo no sexo, somos virgens diante de um novo cheiro, de um novo beijo, de um fetiche ainda não realizado." -Martha Medeiros

Não costumo olhar para quem tem companhia! Acho, na maioria das vezes, a situação embaraçosa. Pode ser em supermercados, shoppings, botecos etc, quase sempre respeito casais de namorados, peguetes e afins. Quase. A idéia do poliamor já passou e às vezes ainda transita meus pensamentos, mas costumo barrá-la. Posso gostar, entende? Uma bunda já é boa, imagine duas? Seis mãos se tocando então? [...]


Stella. Vodka com maracujá. Um olhar. O seu. Mas e ele do seu lado? É só um apoio de braço, alguém que ocupa o lado esquerdo da sua King Size?

Era meados de inverno, temperatura agradável, pessoas agradáveis. Amigos, churrasco, álcool. Confraternizaçãozinha da galera da faculdade, que sempre convidam amigos universitários e por ai vai.

Entre um cigarro e meia dúzia de frases sobre pés-no-traseiro, pós e viagens, desvio o olhar para você novamente.

O que há por trás dos seus olhos? Procuro pistas no seu sorriso, nos trejeitos. Quase não ri. Mas me olha novamente. Retribuo o olhar. Dessa vez vejo os olhos que Assis descreve em Dom Casmurro, olhos de ressacas, desses que te tragam, te sugam, igual o de Capitu. E eu, todo Bentinho.

O aniversário é de um camarada meu porra! Que por acaso é seu irmão! E eu não quero ele como cunhado. E eu nem sei se esse cara do seu lado é seu namorado. Descubro daqui a pouco.

Entre o por do sol e o anoitecer couberam Stellas, músicas ruim, curiosidades e desejos.

Tem um lado meu que eu adoro, e ainda preciso explorar muito. Me faz bem. Gosto de fotografar. Olhar ângulos inusitados, luminosidade, contrastes de cores. Gosto de posicionar as pessoas antes das fotos. Gosto de espontaneidade também, mas é preciso feeling. Enquadrei personagens na Sony 14.1 megapixels, você estava ao centro. Tirei duas fotos. Sempre alguém sai com os olhos fechados, então é melhor ter um plano B.

Tratei logo de descobri que o cara que estava ao seu lado era só seu amigo.
-Você é a parte mais bonita da foto. -Enfim eu conseguia atenção. E olhares. Frases. Sorrisos

Nesse sábado o propósito foi trazer você pra mim. Missão dada, missão cumprida. Quebrei o ar arrogante, o nariz empinado, deitei o banco do carro, desci seu jeans, tirei seu terno. Tirei sua paz.

O celular tocou. Provavelmente seu irmão. Quem se preocupa? Eu não. Você também não. Você se preocupa com a minha cueca, explodindo, latejando.

Tem as mãos mais brancas que eu já vi. Seu rosto branco contrastando com os cabelos negros. Seu jeito tímido contrastando com a maneira gostosa e urgente que me beija, geme, e me puxa pra si.

Entre o anoitecer e a madrugada couberam um parabéns com bolo de chocolate e Coca Cola que perdemos por estarmos ausentes. Mas naquele Peugeot 206 coube tanta coisa... um romance de 520 páginas. No capítulo 6 você namora e me chama para dormir com vocês. No capítulo 7 eu aceito.

2 comentários:

Juliana Sousa disse...

Simplesmente adorei, intenso, sincero, verdadeiro e provocante !
Minha imaginação foi longe, pensei em muitos casos meus, em tantas histórias que já vivi por ai. Esse tipo de texto me fascina, quero muito mais .

Briccio disse...

Jú... é pura pimenta!