domingo, 31 de julho de 2011

Não jogue nossas chaves

Estou confuso... acho que tenho esse direito, tudo é novo pra mim. Quando seus olhos me aceitam e seu sorriso me acolhe eu me assusto.
Você me disse que não quer romancear,  não me disse para eu ocupar as lacunas vazias do seu coração. Então eu acho que não tem o direito de se zangar.
Sempre aceito a sua metade, metade da semana, metade do fim de semana, metade dos seus sonhos e metade do seu drops de morango. Nunca pedi seu coração por inteiro, mas deixo claro nas entrelinhas que quero, é só você entender.
Senti medo de ter que tirar meus sentimentos nobres do peito e jogar no lixo... senti medo quando disse que não queria me ver. Meu peito doeu, rolaram lágrimas que a muito teimavam em se esconder por de trás dos meus olhos castanhos. Te peço para não jogar nossas chaves.
Foto: Filme Um beijo Roubado

Lizzy: Você ainda tem as chaves?
Jeremy: Sim, sempre me lembro que me disse sobre nunca jogá-las fora, sobre nunca fechar as portas para sempre.
Lizzy: Às vezes, mesmo quando se têm as chaves, essas portas não podem ser abertas.E mesmo que a porta seja aberta, a pessoa que procura talvez não esteja mais lá.

Te conto um segredo: Adoro seu sorriso e sua pele... gosto de pentear seus cabelos claros com os dedos e beijar suas costas. Gosto mais ainda da maneira simples que você faz eu me perder em ti. Gosto de me esquecer do que existe além de nós. Abro meus e-mails e leio o que você escreve,  feliz como um garoto que ganhou um presente novo. Você é meu presente novo, e quero que seja meu futuro também. Torço a cada minuto por uma mensagem de texto e quando chega e vejo que não é você, quase não tenho vontade de ler. Me leia também, sou tão simples de ler, preste atenção, te deixo pistas e chaves para entrar aonde quiser, na minha casa, no meu carro, no meu coração é só guardá-las.
Não se assuste eu erro mesmo, mas é só você me ensinar, falar do que não gosta. Eu sei que não gosta de Fast Food e atrasos, me fala então que também não gosta de compromissos desmarcados. Eu desmarco a minha vida e marco meu nome na sua para nunca mais me atrasar e desmarcar nenhum compromisso com você.
Certa vez quando eu tive um primeiro amor nos brigamos, eu olhava nos seus olhos e eu via olhos imprecisos e vazios. Eu pedia:
-Fique, não vá.
Sorriso com desprezo, sem afeto, sem carinho e cheio de dentes.
-Se você for não precisa mais voltar.
Ela foi e nunca mais voltou. Casou-se com outro rapaz (mas duvido que ele goste de Beatles, Los Hermanos, leia livros e os pensamentos dela) teve filhos... aquele que seriam os nossos, aqueles que chamaríamos de Pedro e Laura.
Ela deixou um vazio enorme e demorou algumas primaveras para tudo voltar ao seu devido lugar. Deixou todos os meus sentimentos confusos e desalinhados dentro no meu coração... deixou mágoa. Deixou sonhos guardados dentro de caixas de presentes. Nunca foram abertos. Criaram poeira.
Certa vez quando tive um melhor amigo ele também se foi. Não pude evitar, mas levo seu sorriso e olhos verdes por onde quer que eu vá. Está em paz e alto aqui do sétimo andar eu me lembro e até converso com ele.

-Fique bem, um dia ainda vou te abraçar e te contar muitas estórias, relembrar outras tantas que vivemos e ainda teremos tempo para sentar na grama, descalços, e ficar a toa, sem se preocupar com o anoitecer.
Tô confuso...
Então eu só peço um pouco de paciência. A doce solidão sempre foi minha companheira, mas a muito ela foi embora, estou aqui por nós. Acredite em nós. Fique. Não jogue nossas chaves.

2 comentários:

. Nadine disse...

"deixou mágoa. Deixou sonhos guardados dentro de caixas de presentes. Nunca foram abertos. Criaram poeira." Já me deixaram isso também. Planos intocados, que dóia toda vez que eu tentava chegar perto.

Fiquei emocionada com suas palavras! Principalmente quando você falou do seu melhor amigo. Eu já tive uma melhor amiga que foi embora assim :/ É das feridas que não tem cura, nem esquecimento, 'e a luz desperdiçada de manhã num copo de café'.

P.s.: respondi ao seu comentário no post anterior :) beijo.

Eder Fabricio disse...

Quando li seu post da sua amiga eu entendi perfeitamente o que você sentiu... a dor da ausência é uma das piores do mundo.

Só queremos abraçar alguém e não podemos... é muito triste.

Beijos.