quinta-feira, 5 de abril de 2012

O tiquetaquear da dor de não ter você

"Há sempre alguma loucura no amor. Mas há sempre um pouco de razão na loucura." Friedrich Nietzsche

As vezes acho que estou ficando louco, corro para um canto onde ninguém me veja e fecho os olhos. Fecho os olhos e choro. Quieto. Sem ninguém por perto para ter pena, ou passar a mão na minha cabeça. Eu não quero mesmo que alguém passe... só quero que o tempo passe, quero que o tempo passe bem rápido. Porque enquanto o tempo não passa, quem não consegue acertar os ponteiros sou eu [...]

 Não consigo roteirizar meu final de semana sem você, não consigo imaginar minhas próximas viagens e quando olho o mesmo modelo e cor do seu carro na rua, adivinha?... entro em desespero, vou logo olhando a placa -só decorei as letras, e quando essas coincidem, procuro o rosto do motorista. Fiz isso centenas de vezes. Faço isso a todo momento. E em uma dessas vezes, acho que a quinquagésima sexta ou sétima era realmente você. Reconheci seus óculos Carrera e o seus cabelos negros. Fiz o retorno.

Parei ao seu lado e conversamos como dois estranhos. Fingimos ser melhores amigos. Sorri ao invés de te culpar por toda a minha dor. Tive vontade de te colocar para dentro, trancar a porta do carro, beijar sua boca, tirar sua roupa, seu juízo, sua autossuficiência. Quis o ‘nós’ com prosecco e todo o resto da coisa para acompanhar... quis o ‘nós’ com Marlboro e Artois, com Pringles, Trident melancia e com tesão, sem dores ou vazios, ou ausências.

O problema maior é eu saber que nunca haverá alguém como você. A maior de todas as dores é aceitar que nosso encontro, e quando digo encontro eu me refiro aos meses compartilhados, só acontece uma única vez. Achei que se fizéssemos qualquer coisa ainda assim estaríamos juntos. E aí nos destratamos, descuidamos, desfizemos os laços que pareciam indissolúveis. Teve aquela minha primeira crise de ciúmes, fui embora sem te dar um beijo –e você me cobrou isso no dia seguinte. Aí teve as minhas crises de carência de atenção... o eterno apaixonado querendo atenção, e ligações, e torpedos, e e-mail’s, E VOCÊ. Aí teve a sua ausência, a sua indiferença, teve a primeira vez que ensaiamos terminarmos tudo e você aceitou tudo numa boa.

Não existe para sempre no amor, meu amor. Eternidade sim. Você por exemplo será eterno para mim. Nossa relação se foi, mas as lembranças são minhas e independente do que faça ou tenha vontade, elas ficarão comigo. Lembranças que cravaram a alma. Indeléveis. Não tem lágrima, chilique, sangue capaz de apagar.

Se eu te amo ainda?.. não sei ao certo. Só sei que você sabe que não vai conseguir me esquecer. Pode ser que encontre outra pessoa e seja feliz, espero de coração que seja mesmo. Não quero ter culpa quando eu voltar a ser. Sim, porque voltarei a amar alguém e o único a perder nessa estória toda será você. Constituirei uma vida a dois dentro dessa que ainda faz meu coração descompassado bater. Eu serei feliz aqui e você aí, cada um no seu quadrado. Mas ele nunca será eu. E ele nunca será você. Porque mesmo que nunca mais sejamos nós, seremos sempre nós. Seremos sempre o que fomos um dia, independente do que nos tornarmos.

4 comentários:

Daniele Oliveira disse...

Kcete! As vezes me pergunto se você leu meus pensamentos á distância e os escreveu... Eu me vejo em tudo, eu me leio nessa dor, sei bem como é que é e o tamanho que tem e a sensação de rasgar tudo. O medo de pedir pra Deus tirar do peito pq o sentimento é tão grande que as vezes até preferimos sofrer do que correr o risco de tirarmos de dentro o que nos parece o melhor de nós, mesmo sendo tão doloroso preferimos sentir pq associamos isso á uma forma de ter a pessoa de alguma forma. Parabéns pelas palavras...Inclusive a parte que você disse: Ele Não será eu e ele não será você eu disse domingo...Só que no feminino.

SilverLux (Éverton) disse...

Fantástico como sempre. O "nós" sempre vai existir e que bom que exista para pautar os momentos e experiências que existiram e te formaram assim. Aprenda, contudo, a seguir e viver cada dia melhor. Abraço apertado meu querido.

RENATO VIDAL S. disse...

"siempre seremos lo que fuimos, no importa en lo que nos convertimos", .. esa frase dice mucho, no se borra todo lo vivido en tan solo un instante, recuerdos y los bellos momentos nos acompañan siempre, aunque sea para doler.- Eder extrañaba tus letras, tus historias, Un abrazo estimado amigo.

Eder Fabricio disse...

Momento Cinza MODE ON.
Agradeço a força amigos.

Abraços