sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Era inverno com cheiro de primavera?

Rodei até um posto de gasolina qualquer. Eu não ia abastecer o carro, precisava abastecer minha cabeça, abastecer minhas idéias. encher todo o meu peito. flex com esperança e motivação à R$2,74 o litro.
Tirei o celular do bolso do jeans e enviei um sms:
-Está aonde?
Recebi o retorno:
-Vou para praia, me liga na quarta.
Eu Queria entender aonde estava errando. Procurei por pistas ou sinais, não encontrei nada além de lembranças;
Sorri (pela metade) para a frentista do posto que puxava assunto. Na verdade ela não entendia que eu queria sossego, queria afogar minhas mágoas em long neck Brahma barata de R$2.80, acender cigarro depois de cigarro e ver se alguma coisa nessa porra de sexta-feira (pré-feriado-prolongado-caótico-e-cheio-de-trânsito, onde todos os pobres das classes C e D de São Paulo resolveram comprar carros em 72 vezes sem juros, até transformarem toda a cidade nesse inferno de luzes intermináveis) fizesse algum sentido.
Não consegui esperar e liguei. aquela voz é tão acolhedora, me faz pensar em tantas coisas boas, me faz sentir vivo, como um adolescente. Eu não tinha certeza se era apenas educação ou tentava realmente me despistar. Me deixou vazios, me deixou o vácuo, deixou a solidão acompanhada de indecisões comigo, ali jogado no banco do carro, bêbado e sonhador, carente e esperançoso ouvindo rock and roll dos anos 80.
-Seu presente ainda está comigo.

*Caro leitor, entenda: eu realmente necessito novamente daquele calor, daquele sorriso, daquela voz. 

Não sabia, que também me acompanhavam, todos os sonhos bons, o recomeço seco pendurado no varal com cheiro de amaciante, o gosto da nova estação e O velho tênis de volta aos pés (cansados), não sabia que para mim, a sua companhia era suficiente para me levar do mundo, me fazer perdido-feliz-sonhador novamente. E se soubesse, desmarcaria todos os compromissos e obrigações para me ter ao lado pela manhã.
-Na quarta feira eu pego. Respondeu feliz, com simpatia e alegria. 
Leu 2 vezes todas as regras de boas condutas, ética e etiqueta. Eu pensava se realmente valia a pena investir, mas como achar que não? Todas as vezes que eu mandava um sms ou ligava, A reciprocidade dava as caras.
Chorei encolhido enquanto olhava as horas intermináveis passearem devagar. Me entorpeci de amor, esperança, gasolina e Brahma.
Quero a todo o momento que me tirem o ar, que me façam sentir vivo, e que me façam perder o controle, embora ainda não saiba como tornar graciosos os momentos em que minhas pernas tremem ou procuram o chão outra vez.  E por favor, não venha tirar o meu riso frouxo com algum conselho.

6 comentários:

Marcela Alves disse...

AHHAU brigadinha Eder. è a pura verdade! "Aponta para fé e rema."
rsrsrs

beeijos!

SilverLux (Éverton) disse...

O ombro tá desocupado se quiser deitar e chorar as mágoas e desesperanças (que acredito estarem misturadas aos outros sentimentos)

Luna Sanchez disse...

A despeito de qualquer conselho bem intencionado, só a gente sabe o que carrega na alma, o tamanho da necessidade que, aos olhos alheios, parece descabida.

Quem disse que "viver ultrapassa qualquer entendimento" resumiu o sentido do querer nessas poucas palavras.

Um beijo, moço querido.

E bora abastecer a vida com "flex com esperança e motivação a R$ 2,74 o litro." (Adorei isso!)

Mari disse...

Se você precisa daquele calor, vai atrás daquele calor até quando as possibilidades se esgotarem.

=)

beijo!

O banquete de Edson disse...

VOCÊ CONTINUA SENDO UM CRONISTA URBANO. ESSE PASSEIO EXISTENCIALISTA, REALISTA PELA CIDADE FOI DEZ.
VLW

Eder Fabricio disse...

Éverton não estou na fase de chorar mágoas....rs mas obrigado pelo ombro...rs

Luna... Clarice é Clarice né? R$2,74 o litro da motivação e esperança...rs

Beijão Mari, há uma chance grande de eu ir atrás mesmo..rs

Obrigado Edson. Que bom que gostou. Abração.