terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Medo

Abra o guarda chuva porque hoje o amor desistiu de sair.
É a última vez que meu coração vai dizer 'até um dia'.

Acho que foi medo de mim...
Queria ter  forças para pegar as mais belas palavras e te dizer o quão importante você foi pra mim.
Queria colocar todos os meus sentimentos dentro da sua cabeça, traduzidos, em braile, legendados ou da melhor forma para você assimilar. Não seria suficiente.
Queria te pegar, te beijar, te morder, afagar seus cabelos, passar minhas mão pelo seu corpo. Queria só te olhar,  talvez isso bastasse... é tanto querer. Por que existe o tempo, não quero que vá, fica vai?

"Aonde está você agora além de aqui, dentro de mim?" *

As palavras somem, não sei o pensar, nem como agir. Sinto um vazio enorme, uma coisa que brota dentro do meu peito e cresce a cada segundo, algo que nunca senti.
Os olhos tristes e desbotados, o coração doente, contaminado pelo tal do amor, pensamentos que eu não entendo.
Passo o cortador de grama por todo o jardim: arranco as rosas vermelhas, os trevos de quatro folhas, as ervas daninhas, arranco as lembranças, podo os afetos e pulverizo com o veneno mais poderoso nossos momentos, guardados dentro de mim. Sentimentos me fazem mal, me sufocam. Não quero mais sentir isso.
Tóxico, encaro-me no espelho, não por muito tempo. Tenho medo desse "eu", tenho orgulho e medo ao mesmo tempo. Tão estranho, entende? Eu não.
Amargo, me tranco no quarto, sem brilho, triste, jogado na cama e na tristeza.

"Vai ser difícil sem você, porque você está comigo o tempo todo e quando vejo o mar existe algo que diz que a vida continua e se entregar é uma bobagem" *

Não entendo como sou tão fácil, nem como as pessoas entram e se afundam no meu peito com tanta rapidez, e facilidade. Não entendo como elas não se contaminam com o bem, com o bom que há dentro dele e saem... assim, com uma indiferença que me assusta.
Acho até que estou ficando chato e previsível, talvez seja isso.
Por ora me limito a não plantar tudo novamente, não quero as bem fadadas borboletas passeando por aqui, nem os sorrisos.
Quero ficar comigo, quero viver a sua ausência, quero sentir todas as dores do seu 'até um dia', quero conhecer as piores sensações do término de nós... quero que sejas bem feliz, de verdade, e que quando me olhar -depois desse período que eu nem sei  o quanto vai durar- com o meu sorriso voltado para outros olhos, se arrependa e entenda. Se arrependa de ter feito, ou melhor, de não ter feito. E entenda, entenda e  sinta muita vergonha por ter feito eu pegar os sentimentos nobres que sinto por ti, e um a um, jogá-los ao vento.

"Dos nossos planos é que tenho mais saudade" *

* Renato Russo

2 comentários:

SilverLux (Éverton) disse...

Por que tanta dor querido? Quisera estar aí e estender meu ombro para você chorar, e meus braços para te confortarem! Também choro daqui...

Eder Fabricio disse...

Por que Éverton? Eu que te pergunto. rs
Queria entender tantas coisas... mas por ora é o que sinto.

Abraços