terça-feira, 20 de dezembro de 2011

O peso do 'até um dia' - Parte 5

"Saudade a gente tem é dos pedaços de nós que ficam pelo caminho." - Martha Medeiros
Te olho...
Te olho dormir pela madrugado, quase imóvel, como um anjo. Ensaio um beijo no ombro ou um carinho nos cabelos. E se eu te acordar? Melhor observar quieto, no meu canto, do meu lado da cama. Ah, mas estamos descobertos, e estou com frio. Por aí na sua cidade faz um frio de madrugada, que o paulista aqui, não entende como o ventilador ainda continua ligado. Me aproximo mais um pouco das costas, nos cubro com o lençol até o pescoço. Por mais que seja dezembro, mesmo assim sento frio na sua cidade. Entrelaço minhas pernas nas suas e gosto quando você ajeita as suas para eu encaixar as minhas.
Quero ficar perto, quero o cafona 'dormir de conchinha'... mas eu preciso de ar para dormir, e depois de algumas tentativas frustradas eu resolvo sair de cima da sua nuca e respirar ar de verdade me afastando um pouco, deixando somente minhas pernas em contato com as suas e minhas mãos exploradoras, tateando seu corpo, mais tarde nem isso... me desculpe, mas preciso me virar e dormir, esse momento é só meu, então, deito do meu lado da cama, solto, livre e só.
Te olho acordar com cara de criança, fazendo biquinho e com os olhos pequenos, ouço você e o chuveiro no banheiro e apareço de surpresa. Vejo pelo seu sorriso discreto que fiz a coisa certa. Me ensina metodicamente como deixar o sabonete na saboneteira:
-Bota assim guri (e me explica colocando-o de forma inclinada, deixando livre o furo da saboneteira para escoar a água).
-Senão ele vira aquela pasta, fica todo mole... certo.
-Isso mesmo guri, tu aprende rápido as coisas.
Enquanto nos secávamos, ligou o secador e secou seu corpo e o cabelo. Eu nunca tinha visto alguém, após se secar com a toalha, ligar o secador para finalizar a secagem. Achei meio burguesa a atitude, mas sorri.
Te olho se trocando, vestindo sua bermuda xadrez, seu tênis preto e sua camiseta rosa, aquela que eu te disse que adoro, aquela que está vestido na foto que eu mais gosto e disse pra ti sem vergonha alguma. Acho que escolhê-la foi proposital, para me deixar ainda mais louco de desejo e vontade de te agarrar, te segurar pelos braços e te despir.
Te olho passando protetor solar fator cinquenta  e spray de fixação no cabelo.

Te admiro...
Te admiro pelas suas boas intenções e confiança. Obrigado por ter confiado em nós. Te admiro pelos sorrisos verdadeiros que me causaram tantas vezes, indescritíveis sensações de bem estar e poder: Bem estar por estar ao seu lado, por ter realizado esse meu antigo sonho, sempre guardado, nunca esquecido; Poder porque eu tenho a certeza que todos olham para você na rua, na academia, no shopping, na praia... mas quem te tem nos braços a noite ou a qualquer hora do dia, sou eu.
Te admiro por abrir as suas portas para mim. Por fazer com que eu me sinta em minha própria casa. Te admiro pela sua dedicação com a sua família -ouvir você tratando sua mãe bem pelo telefone, conversando com a sua irmã, tão prestativo e educado, assim fica impossível não te admirar.
Tomei rápido o meu iogurte e saímos. Disse pra mim que não conseguia se alimentar de manhã, então comeria algo durante a manhã, talvez depois de meia hora.
Caminhamos durante meia hora, atravessamos o rio com a balsa da cidade, admirei o porto com centenas de containers. Comeu um salgado e um suco de laranja, tomei um refrigerante. O ônibus demorou uma hora até a cidade escolhida.

(...)
Antes disso: O peso do 'até um dia' - Parte 1O peso do 'até um dia' - Parte 2O peso do 'até um dia' - Parte 3O peso do 'até um dia' - Parte 4
Depois disso: O peso do 'até um dia' - Parte 6, O peso do 'até um dia' - Parte 7, O peso do 'até um dia' - Final

5 comentários:

SilverLux (Éverton) disse...

A cada "página" dessa história, meu coração acelera... será que o final é triste como parece? Não quero que seja... quero você feliz, meu querido!

Luna Sanchez disse...

É realidade que parece sonho e é sonho muito melhor do que o que temos durante o sono.

=)

Beijinhos, queridão.

. Nadine disse...

Uma linda história, que não deveria ter final.


Tenho saudade demais daqui, de você, Briccio.

=**

Marcela Alves disse...

Que lindo Eder.. ;p quero me apaixonar por alguem tambem.. =( ahahuhuahu

beeijos

Eder Fabricio disse...

Éverton, vai ter que aguardar.. rs
Obrigado pelos votos! Abração.

Luna realmente foi um sonho, me doeu demais voltar pra São Paulo... =/ Beijos.

Nadine se soubesse o quanto eu tenho saudade de te ver por aqui, se soubesse o quanto me deixa feliz, quando escreve o que sente. Se soubesse não sumiria! rs Beijos.

Marcela, é simples! Se permita. Se entregue! Mas e se quebrar a cara?
Não importa, depois você se reinventa, é tão bom quando você está com alguém por paixão, diferente de estar com alguém por estar, só para ocupar vazios. Sou da seguinte teoria: Posso quebrar a cara, mas entro em uma relação de corpo e alma e se a outra parte não, o azar é o dela, porque pra mim foi perfeito enquanto durou.