segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Segundo Vazio

Faz de conta que nada foi dito. Podemos pular esse dia, não podemos?

Ele tinha os olhos fundos e tristes, estavam vazios a quase um século (podia acreditar facilmente nisso).
"-Bola pra frente piá! Erga a cabeça!" ou "-Quero o melhor pra ti, então fique bem... pare de sofrer!" Ouvia constantemente dos amigos.
O segundo vazio chegou mais intenso e doloroso (doía a alma), foi quando o guri sentiu saudade do cheiro, do sorriso, do olhar, da voz. Foi nessa época que ele sentiu saudade do toque, do abraço... sentiu saudade de se ancorar na guria.

A saudade e o vento que tocavam no corpo dele, caminhavam juntos, em direção ao passado.
-Invadiu meus sonhos, sacudiu minha alma, acabou com a minha calma (...) Ele dizia para si mesmo vagando pela lua.
Eu o ouvia perguntar de onde tinha surgido tanto amor. Eu, por não poder responder, sofria junto com ele e as interrogações.
As lembranças dele eram acompanhadas das piores facadas recebidas por quem um dia lhe atribuiu um sorriso - desses largos que derretem icebergs inteiros.
Eu queria ter te avisado antes, dizer que sorrisos tem prazos de validade, se desmancham, e o que fica é o silêncio de quem te fez sorrir.
Tudo o que ele sempre quis foi o melhor para os dois. Ela sempre soube dos desejos sinceros do guri.
Se entorpeceu de sonhos incinerados, desamores e vodka. Repetiu na quinta, sexta e no sábado. Houve momentos amargos provocados por ressacas morais.
Ele chorou por ter visto escorrer por seus dedos, chorou por deixar recados na caixa postal e não receber retornos, chorou por não receber qualquer e-mail. Chorou por imaginar outro em seu lugar.
Não sabia o que pedir, então pediu a Deus para dormir uma semana inteira, talvez Agosto inteiro.
Te ajudo com Agosto e desgosto. Fico em você, se você quiser.
Vivia o céu e o inferno.
Diariamente tocava as lembranças: sentia o embalo do carro, a pegada nos quadris, a saliva... quase podia olhar nos olhos claros da guria, quase podia tocar seus cabelos e acariciar o seu rosto, sentia o gosto dos lábios e de quartas intenções.
Com a nostalgia: sentia o gosto do amor inventado que serve somente para distração, quase ouvia a guria falar durante a madrugada, tamanha saudade.
Degustava diariamente pedaços de fins, acompanhados de variedades de vazios, em todos os tons de cinzas e pretos. (...)

Autores dos rabiscos: eu e Nadine (Desculpe-me pelo mau humor flor de maracujá, estou correndo tanto nos últimos dias, prometo voltar a ser o mesmo pé de manjericão que você conheceu!)

Antes disso: Despedida [Prólogo] (I), Jaz [Introdução] (II) e Primeiro vazio (III)



5 comentários:

Amor e outros delírios disse...

Nossa... que show! Adorei!
É bem isso que a gente sente quando ama e perde o objeto de amor. Sabe, parece um vício e entramos em crise de abstinência da pessoa amada, do amor que sentimos, dos pedacinhos do outro, das lembranças, como vcs tão bem exprimiram. Adorei!!!
Beijos e uma excelente semana!
Marie
amoreoutrosdelirios.blogspot.com

Luna Sanchez disse...

"Degustar pedaços de fins" foi o meu passatempo durante alguns meses. Me dediquei a embaralhar as peças e a tentar montar o quebra-cabeças de outras formas, fazendo novas ligações, tirando outras conclusões, pra ajudar a passar o tempo e a acalmar o coração.

Valeu a pena, foi um bonito remake, mas eu não faria de novo.

Beijos pra vocês, gostei muito do texto feito a quatro mãos, como sempre muito bom!

;)

Eder Fabricio disse...

Marie, fico contente com a sua visita, com o seu comentário... volte mais vezes para me encontrar! =D Beijos.

Luna, remakes geralmente funcionam bem SE, e somente SE, forem feitos por um bom diretor. O remake de 'O Iluminado' foi razoável na minha opinião, mas não se compara ao original de Stanley Kubrick! Com amor é a mesma coisa né? Já não é mais novidade, não atinge expectativas. Penúltima parte do texto feito a quatro mãos. Um beijo.

Marcela Alves disse...

Parabens! voce e Nadine fazem uma dupla fantastica!


beeijos

Eder Fabricio disse...

Obrigado Marcela. Um beijo.